Tuesday, 1 November 2016


                                                   NOTA  DE AGRADECIMENTO

Servimo-nos desta para agradecer a todos os municipes da cidade de Quelimane, docentes e discentes secundarios e universitarios, funcionarios publicos, empresarios, jornalistas, membros da sociedade civil, partidos politicos, que apesar da sua agenda apertada motivada pela actual crise politico-militar-economica, participaram na palestra subordinada ao tema – ‘Os Desafios e Prioridades da Política Externa e de Cooperação da Finlandia na Africa Austral - O Caso de Mocambique, proferida  ontem, dia 01 de Novembro de 2016 pelas14 horas no Salão Nobre do Conselho Municipal da Cidade de Quelimane. A palestra que foi proferida pela Senhora Embaixadora da Finlandia, Dra. Laura Torvinen e pelo Director para África Austral no Ministério de Negócios Estrangeiros da Finlandia, senhor Jouko Leinonen abordou inter alia os seguintes temas:

-Gemelagem entre as cidades de Quelimane e Lapperanta nas areas culturais, gestao de residuos solidos, criacao de ciclovias, emprego, empreendedoriamo e criacao de uma economia verde;
-Intercambio entre empresarios e associacoes de empresarios de Quelimane e da Finlandia.
-Intercambio entre estudantes, professores, instituicoes de ensino primario, secundario, superior e de pesquisa,
-Promocao dos direitos humanos, democracia, reconciliacao nacional e paz.
-Promocao da prestacao de contas e boa governacao
-O caso das dividas ocultas
-historiografia das relacoes entre a Finlandia e Mocambique
-Situacao politica na Finlandia
-Papel da Finlandia na Africa Austral
-Os principios da politica externa, de cooperacao e de desenvolvimento da Fnlandia
-As prioridades da finlandia na Africa Austral e em Mocambique
-Desenvolvimento economico para a criacao de emprego e oportunidades de negocios e politica economica da Finlandia
-Direitos da raparigas e das mulheres
-Apoio a saude, a educacao primaria e a formacao profissional
-Apoio ao sector privado
-Apoio a direccao nacional de estudis e analise economica no ministerio das financas
-Desenvolvimento rural
Apoio a Assembleia da Republica
-Apoio a pesquisa (UEM e IESE)
-Fundo Comum (FASE)

A palestra foi co-organizada pelo Conselho Municipal da Cidade de Quelimane, o Centro de Estudos Mocambicanos e Internacionais (CEMO) e a Fundacao para o Desenvolvimento da Zambezia.

O PRESIDENTE
___________________________

Prof. Dr. Manuel de Araújo

Tuesday, 9 August 2016

Finally! EU acorda de longa e profunda sonolencia!


Caros/as defensores/as de Direitos Humanos,

A União Europeia criou desde Dezembro de 2015, um mecanismo para apoio aos defensores de direitos humanos que estejam em situação de risco.

Através do mecanismo, que é gerido por um consorcio de 12 organizações da sociedade civil, defensores de direitos humanos em todo mundo têm a possibilidade de beneficiar de apoio financeiro para cobrir despesas de emergência, nomeadamente:

·         Assistência legal, em caso de processo
·         Assistência médica e medicamentosa, incluindo acompanhamento psicológico,  caso tenham sido alvo de violência ou ataques
·         Reforço da segurança pessoal
·         Realocação temporária  para um outro país
·         Outras despesas relevantes, dependendo do tipo de risco e ameaças

Para aceder ao apoio, deverão aceder ao sitio online: https://www.protectdefenders.eu/en/index.html

Na página encontrarão o formulário que deve ser preenchido, além da linha de apoio que está disponível 24/24: +353 (0) 1 21 00 489

Poderão ainda contactar o mecanismo pelo email: contact@protectdefenders.eu

A informação da página está em inglês( além de Francês, alemão e Espanhol), mas a equipa poderá prestar assistência em Português, assim como disponibilizar o formulário traduzido mediante vossa solicitação.

O mecanismo pode ser activado por qualquer pessoa, não havendo a necessidade de comunicar ou envolver a Delegação da União Europeia em Moçambique.

Por favor, divulguem a informação pelas vossas redes de contactos.

Em caso de dúvidas, podem endereça-las através deste endereço:  DELEGATION-MOZAMBIQUE@eeas.europa.eu

Monday, 8 August 2016

Histori ada Guerra na Zambezia e Nampula, o caso dos Naparamas

O Conselho Municial da Cidade de Quelimane e o Centro de Estudos Mocambicanos e Internacionais (CEMO) tem a honra de convidalo/a a participar na palestra a ser proferida pela  Professora Corinna, da Universidade Leiden na Holanda (PhD Yale University, USA) a ter lugar hoje, Terca feira, dia 09 de Agosto de 2016, no Salao Nobre do Conselho municipal da Cidade de Quelimane.

A palestra subordina-se ao tema "Historia da Guerra na Zambezia e Nampula, o Caso dos Naparamas'.

Encontre abaixo uma nota biografica da Professora

A sua presenca sera apreciada. passe a palavra,

Manuel de Araujo



Dear colleagues,

Please find my short bio below:

I’m an assistant professor of International Relations at the Institute of Political Science at Leiden University in the Netherlands. I study civil wars and the emergence of informal institutions of security governance. My current research focuses on community mobilization against insurgent violence, the formation of militias—parties to armed conflict that are neither incumbents nor insurgents—and their impact on civil war dynamics. I’m also broadly interested in African politics, transnational aspects of civil wars, and peacekeeping. I have conducted field research in Mozambique, Zambia, and Malawi.

I received my PhD from Yale University, and prior to that studied at Free University Berlin and Sciences Po Paris.

The lecture will be about my field research for my dissertation that I conducted here in Mozambique on the history of war in Zambezia and Nampula, and the role of the Naparama.

Sunday, 31 July 2016

Mensagem do edil de Quelimane aos Quelimanenses Residentes em Faro, Portugal

CONSELHO MUNICIPAL DA CIDADE DE QUELIMANE
PRESIDENTE
Quelimane, 30 de Julho 2016
MENSAGEM DE SAUDACAO AOS COMPATRIOTAS E AMIGOS DE MOCAMBIQUE PARTICIPANTES DO JANTAR DE CONFRATERNIZACAO DE QUELIMANENSES RESIDENTES NO FARO
A TER LUGAR NO DIA 30 DE JULHO 2016
Prezadas e Prezados Compatriotas e Amigos de Mocambique,
Venho por este meio, em meu nome pessoal, no da minha familia e em nome dos municipes da cidade de Quelimane, saudar-vos por manterem viva a chama e o amor que nutrem por Mocambique.
Apesar do momento dificil que Mocambique atravessa, fruto da ganancia e ma gestao dos recursos publicos, estamos certos que o pais que tanto amamos saira desta crise e contamos com o vosso apoio, pois o vosso incondicional e inquebrantavel amor por Mocambique, a vossa sabedoria, experiencia profissional e contactos sao neste momento de crise mais necessarios do que nunca!
Permitam-me que aproveite esta oportunidade singela para informr-vos que a Cidade de Quelimane, capital da nossa Zambezia, comemora no proximo dia 21 de Agosto de 2016, 74 anos de existencia. E no proximo ano, 2017, comemoraremos as Bodas de Brilhante, ou seja os 75 anos da subida a categoria de Cidade da nossa urbe!
Assim seria uma grande honra e um privilegio podermos contar convosco nestas celebracoes! Na impossibilidade material de todos ca estarem estariamos felicissimos se pelo menos um representante vosso, podesse nos obsequear com a sua presenca nas celebracoes das Bodas de Brilhante da Cidade de Quelimane!
Se Deus quiser nas primeiras semanas de Setembro estarei em Portugal. Seria um prazer enorme poder almocar ou jantar convosco.
Sem mais delongas desejo-vos bom apetite e um forte e quente abraco das tepidas aguas do Rio dos Bons Sinais!
Atenciosamente,
Manuel de Araujo
Presidente do Municipio de Quelimane

Mensagem do Edil de Quelimane aos Quelimanenses Residentes em Faro, Portugal

CONSELHO MUNICIPAL DA CIDADE DE QUELIMANE
PRESIDENTE
Quelimane, 30 de Julho 2016
MENSAGEM DE SAUDACAO AOS COMPATRIOTAS E AMIGOS DE MOCAMBIQUE PARTICIPANTES DO JANTAR DE CONFRATERNIZACAO DE QUELIMANENSES RESIDENTES NO FARO
A TER LUGAR NO DIA 30 DE JULHO 2016
Prezadas e Prezados Compatriotas e Amigos de Mocambique,
Venho por este meio, em meu nome pessoal, no da minha familia e em nome dos municipes da cidade de Quelimane, saudar-vos por manterem viva a chama e o amor que nutrem por Mocambique.
Apesar do momento dificil que Mocambique atravessa, fruto da ganancia e ma gestao dos recursos publicos, estamos certos que o pais que tanto amamos saira desta crise e contamos com o vosso apoio, pois o vosso incondicional e inquebrantavel amor por Mocambique, a vossa sabedoria, experiencia profissional e contactos sao neste momento de crise mais necessarios do que nunca!
Permitam-me que aproveite esta oportunidade singela para informr-vos que a Cidade de Quelimane, capital da nossa Zambezia, comemora no proximo dia 21 de Agosto de 2016, 74 anos de existencia. E no proximo ano, 2017, comemoraremos as Bodas de Brilhante, ou seja os 75 anos da subida a categoria de Cidade da nossa urbe!
Assim seria uma grande honra e um privilegio podermos contar convosco nestas celebracoes! Na impossibilidade material de todos ca estarem estariamos felicissimos se pelo menos um representante vosso, podesse nos obsequear com a sua presenca nas celebracoes das Bodas de Brilhante da Cidade de Quelimane!
Se Deus quiser nas primeiras semanas de Setembro estarei em Portugal. Seria um prazer enorme poder almocar ou jantar convosco.
Sem mais delongas desejo-vos bom apetite e um forte e quente abraco das tepidas aguas do Rio dos Bons Sinais!
Atenciosamente,
Manuel de Araujo
Presidente do Municipio de Quelimane

Monday, 14 March 2016

Quelimane Capital da Francofonia: Mensagem do Presidente do Municipio de Quelimane

Mensagem do Presidente do Conselho Municipal de Quelimane po ocasiao do Lancamento da Semana da Francofonia e da Celebracao dos Dez anos da Adesao de Mocambique a Organizacao Internacional da Francofonia

Mesdames, Messieurs,

C’est un grand honneur pour Quelimane de pouvoir accueillir cette année les célébrations de la francophonie.

Je veux à ce égard remercier le Ministère des Affaires Etrangères et de la Coopération, ainsi que le Ministère de l’Education et du Développement Humain du Mozambique, pour leur volonté de décentraliser la francophonie dans toutes les provinces du pays, et cette année en particulier jusqu’en Zambézie. Je sais que ce n’est pas facile, pour l’organisation de cet événement. Mais c’est un acte très important, qui va au-delà du symbole.

Car c’est tout le Mozambique qui est membre de la francophonie et pas seulement la province or la Ville de Maputo. C’est tout le Mozambique qui fête cette année ces dix années d’adhésion à l’Organisation Internationale de la Francophonie. C’est tout le Mozambique qui est fier et heureux de cette appartenance.

C’est tout le Mozambique qui aime la langue française, qui est une langue latine, cousine de notre portugais.

C’est tout le Mozambique qui porte les mêmes valeurs de la francophonie, à commencer par les valeurs de démocratie, de paix, de tolérance, de respect de la diversité culturelle et linguistique.

En ces jours où notre paix semble à nouveau menacée, les valeurs de la francophonie peuvent nous aider à penser notre unité dans la diversité. A regarder nos différences comme une source de richesse, et non de conflits.

C’est aussi pour cela que je trouve que le symbole est fort, d’ouvrir la francophonie cette année en Zambézie e a Quelimane. Ici, où nous avons trop souffert de nos conflits, nous devons nous emparer pleinement de ce message de tolérance et de respect de l’autre que porte la francophonie.

La francophonie, qui est cette union de quatre-vingt pays de tous les continents, de toutes les cultures, nous enseigne que l’unité ne se construit pas en détruisant les différences. Au contraire, c’est le respect des différences qui fait l’unité. L’unité d’une communauté, comme l’unité d’un pays. Notre pays. Le Mozambique.

C’est pour nous un message très fort. N’ayons pas peur du débat, du dialogue, de la confrontation des idées. N’ayons pas peur de ne pas être d’accord toujours, n’ayons pas peur de nos différences de culture ou d'opinion. Ayons confiance dans notre pays, dans notre identité nationale. Elle est forte, et elle ne sera que plus forte si nous savons respecter nos différences.

Alors merci encore une fois, à nos autorités nationales, comme aux ambassades des pays francophones, pour avoir étendu la francophonie cette année jusqu’à Quelimane.

Aujourd’hui, Quelimane est Paris, Dakar, Ottawa, Hanoi, Bamako, Bern, Conakry, Kinshasa, Bruxelles, Tunis… Je ne vais pas toutes les citer… Quelimane est toutes les capitales francophones du monde. Quelimane est elle-même une capitale francophone, qui est fière d’accueillir et de porter à son tour le message de paix et de tolérance de la francophonie.

Merci beaucoup.

Manuel de Araujo

Maire de Quelimane

Sunday, 13 March 2016

Esquadroes da morte em Mocambique?

Há esquadrões de morte para abater opositores, revela agente da Polícia da República de Moçambique



Uma das frentes mais activas do conflito político-militar, que decorre há vários meses em diversas regiões de Moçambique, acontece no distrito de Murrupula, na província de Nampula, norte de Moçambique, onde oficialmente um contingente da Polícia da República de Moçambique(PRM) foi enviado para a localidade de Naphuco para repor a ordem, alegadamente perturbada por homens armados da Renamo, e um agente terá sido raptado. Na verdade, um esquadrão de elite das forças governamentais foi enviado para o local.



“(...)fizemos uma defesa circular, em que todos parámos e concentramos o fogo. Mas sem esperar que aqueles podiam responder, porque nós fomos de madrugada. Quando responderam cada um correu à sua maneira e ele ficou”, relata um agente das forças especiais da Unidade de Intervenção Rápida (UIR) da Polícia da República de Moçambique (PRM), que revela ainda ter realizado várias "missões" de eliminação de alvos previamente identificados pelos comandantes, uma das quais a 25 de Setembro de 2015, em Zimpinga (41 quilómetros a leste de Chimoio na Estrada Nacional Número 6, entre Gondola e a Missão de Amatongas ), onde a ordem era eliminar fisicamente Afonso Dhlakama, líder da Renamo. “Aquele velho (Dhlakama) não morre”, disse.



Leia a seguir um relato arrepiante, feito por quem diz ter participado e por isso testemunha. “Estamos cansados. Não ganhamos nada e estamos a sonhar com aquilo”, diz o agente. O referido agente, cuja identidade não revelamos, nasceu na cidade de Maputo em 1985.



“Cumpri a tropa no Centro de Formação de Forças Especiais de Nacala Porto”, diz o agente. “Estava lá como Instrutor Auxiliar de Armamento e Tiro”. Cumprido o serviço militar, e depois de algum tempo em que trabalhou para uma empresa privada de segurança, foi incorporado nas fileiras da PRM. “Entrei para a polícia; fizeram uma seleção. Queriam aqueles que tinham sido militares e que tivessem feito o curso de armamento, para serem da Intervenção Rápida, mas estando na Presidência da República. Trabalhei na RP1 e na RP2”, diz ele. RP é a sigla para Residências Protocolares pertencentes à Presidência da República.



P – Qual é o seu percurso até chegar às Forças Especiais?



Agente – Fui militar das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM). Comecei a minha formação militar na Catembe, na Escola de Fuzileiros Navais. Depois fiquei dois anos à procura de emprego, até ser incorporado na polícia. Aqueles que foram à tropa não podem ser cinzentinhos; têm que pertencer às forças especiais. Fui fazer outra formação de anti-motim, de controlo de multidões, no caso de greves. Essa formação anti-motim é uma especialidade, Força de Intervenção Rápida é outra. Intervenção Rápida é uma força tipo bombeiro, que aparece para resolver um problema e acabar. Então, porque é que levam os que foram à tropa? É Porque estes sabem disparar vários tipos de armas. Por exemplo, eu sei disparar cerca de 26 tipos de armas. Esses das esquadras só sabem disparar pistola e AKM. Por isso é que aqueles que estiveram na tropa não pode estar numa esquadra; têm de estar num quartel, então nós temos uma dupla função; operamos como militares e como polícias também.



P – Em que ramo da corporação está afecto?



Agente – Sou agente da Polícia, da Unidade de Intervenção Rápida. Estive a trabalhar na Presidência da República. Fiz curso de franco atirador. Vocês não sabem o que existe aqui, guerra existe só que nas cidades não há guerra.



P – Onde e desde quando é que há guerra?



Agente – Estava na escolta presidencial, mas fui destacado para Nampula porque precisavam de franco-atiradores lá para operar as armas pesadas que estão lá; canhões novos de fabrico russo ZU 23. Já existiam do mesmo tipo antigas, mas recentemente chegaram novas. Só na posição de Gorongosa, onde estive em 2012 e 2015, existiam pelo menos oito. Éramos uma força conjunta que estávamos lá a realizar tiros com Dragunov, essa é uma arma que usamos para procurar as pessoas indicadas e abater, porque temos tido esse trabalho.



P – Que trabalho é esse, com quem você realiza?



Agente – Somos mais ou menos um pelotão de 20 especiais. Quando começou aquele problema em Gorongosa, em 2011, fizemos uma reciclagem e a primeira missão foi em 2012. Nós vamos lá quando a situação não está nada bem. Primeiro, tem pessoas que avançam para lá e quando a situação não está nada bem chamam os atiradores de armas pesadas para chegar e destruir. Nós é que entramos lá e matamos aquele comandante que diziam que era anti-bala; aquele morreu com canhão em Muxúnguè.



P – Que outras missões em que você esteve envolvido?



Agente – Nós ficamos no quartel, mas eles nos chamam, e dizem vão para a província x. Saímos daqui de avião, e lá apanhamos viaturas dos comandos provinciais. O que me deixa revoltado é que o meu trabalho é combater a criminalidade, manter a ordem e tranquilidade públicas. A polícia não é para matar; é para apanhar a pessoa, isolar e entregar à justiça para ser ouvida e de lá darem seguimento. É o que nós entendemos. Mas aqui neste nosso país alguém pode chegar, dar ordens para entrar no carro, e nós só temos que cumprir ordens. Ninguém vai aparecer a dizer que não quero, porque há consequências. Vinham com a foto e diziam que “está aqui, vão mata-bichar e aí onde vão mata-bichar virá alguém, então aquele que vier, mesmo primeiro isolam o guarda-costas dele porque virá acompanhado”. Dão toda a informação que “este virá acompanhado, o nome não vamos vos dizer mas é esta pessoa na foto e deve ser abatido”.



P – Então, as missões não são só contra os homens armados da Renamo?



Agente – Em Maputo nunca usamos armas contra militares. Conforme eu disse, dão-nos a foto e depois são vão ouvir que um desconhecido foi encontrado morto na zona x, como se tivesse sido um assalto.



P – Quer dizer que também operam nas cidades?



Agente – Na cidade da Beira, mas onde trabalhei mais foi em Nampula. Em Nampula já seguimos um Nissan Navarra branco dupla cabine, com matrícula vermelha. Seguimo-lo desde o hotel, no centro da cidade, fomos via Cipal, um pouco depois da Faina, contornou para a estrada Nampula-Cuamba, e era ali mesmo que o queríamos. Passamos o mercado Waresta, fomos até antes de Namina, tem o distrito de Ribáuè, quando saímos de Rapale tem uma grande distância de mato. O nosso primeiro carro, um Prado preto, ultrapassou e atrás estava outro Prado, ele praticamente ficou no meio. Furámos o pneu de frente, ele perdeu a direcção e foi parar perto da linha férrea. Nós queríamos um que estava atrás, a mexer o telefone, um saiu e queria responder o fogo mas levou na cabeça. O responsável e o motorista também quando iam sair, atiramos mortalmente. Ficaram ali.”



P – Que outras missões de que se recorda?



Agente – Há bocado fomos a Manica, tivemos um trabalho, só que lá fomos à paisana. Recebemos a foto da pessoa que nos disseram que devia ser abatida. Nós não conhecemos bem as pessoas (a serem abatidas). Eles trazem e dizem “vão até à zona x, vai passar alguém”, dão nos a informação toda da pessoa (vestuário, carro), dizem para persegui-la até uma zona onde a polícia não estará lá.



P – Já realizou alguma missão contra Afonso Dhlakama?



Agente – Já, só que aquele também é drogado. Para o líder da Renamo, primeiro lhe tentamos no distrito de Moma, mas o falhamos. Em Manica agora, só que aquele senhor não morre.



P – Quer dizer que o vosso pelotão estava em Manica atrás de Afonso Dhlakama?



Agente – O trabalho ali foi assim; mandaram-nos para lá alguns dias antes. Fomos recebidos por um dirigente (nome omitido). Primeiro eles (o líder da Renamo e a comitiva) estavam num comício, a força da escolta que estava lá dava-nos informações. Quem organizou aquilo, quem nos estava a dar refeições, em que sítio nós dormimos em Manica, o responsável dizia, “que tal hoje não pode falhar nada”.



P – Mas falharam...



Agente – Não falhamos. Muitos morreram, mas aquele velho (Dhlakama) não morre, desapareceu. Ali tem montanhas, nós ficamos na parte alta, não podiam ir outros colegas lá em baixo porque senão podia haver fogo cruzado, naquilo de que o carro que passasse havia de levar, porque não estávamos com armas ligeiras; usamos armas próprias para estragar carros. Pusemos ali a mira, sabíamos que Dhlakama vinha, porque estavam no comício e de lá ligavam para o nosso comandante a avisar que daí a pouco tempo Dhlakama havia de passar, que já partiu, alimentem as armas, e posicionamo-nos com as metralhadoras, mas não sei como é que é possível um carro passar a poucos metros e não ser atingido. Vários morreram ali mas Dhlakama conseguiu sair. Ainda perseguimos mas eles responderam.



P – Quem é que deu as ordens para essas missões em que você participou?



Agente – Sabe, aqui em Moçambique tem pessoas que nunca são mencionadas, de quem nunca se fala. Quando há problemas, sempre fala a polícia, os militares, mas há uns que sempre ficam por detrás disso: SISE(Serviços de Informaçao e Segurança do Estado). São grandes, têm informação de tudo isto aqui.



P – Só actuaram em Nampula, Manica e Sofala?



Agente – Realizamos missões de porta-à-porta na província de Sofala, nos distritos de Caia, Marromeu e Gorongosa. Chegávamos, batíamos à porta, e aqueles que saiam eram mortos. Obtemos informação dos líderes comunitários; são eles que nos informam sobre a presença de homens da Renamo numa determinada região.



P – Onde é que foi a missão mais recente?



Agente – Eu fui chamado para Murrupula, em Nampula, em Janeiro de 2016. Porque conforme já disse, os líderes comunitários conseguem observar os movimentos nas aldeias, e verificar a chegada de pessoas ou grupos estranhos. Então, chamaram-nos para lá. Não permanecemos lá; ficamos num hotel, como civis, à espera de indicações para irmos trabalhar”.



P – Que tipo de trabalho foi esse?



Agente – Há uma base da Renamo numa aldeia, é uma coisa de 42 quilómetros depois da Estrada Nacional. Deixamos os carros para não provocar ruído. É uma zona onde não entram frequentemente carros; os únicos carros que vão para lá vão à procura de carvão e lenha. Nós fomos a pé. Mesmo agora que estou a falar tem lá forças pertencentes à 6ª Unidade da Intervenção Rápida, tentando resgatar um homem que desapareceu com a sua arma.



P – Está a falar de um vosso colega que desapareceu? Como é que desapareceu?



Agente – Nós fomos lá e identificamos uma base da Renamo. Fizemos uma defesa circular, em que todos paramos e concentramos o fogo, mas sem esperar que eles pudessem responder, já que era de madrugada. Quando responderam fogo cada um correu à sua maneira e ele ficou, tinha uma metralhadora PK de 475 munições (é uma metralhadora Kalashnikov russa vulgarmente conhecida por PK), tinha dois carregadores. Depois o Comandante ligou e disse que queria o esse elemento vivo ou morto, e com a sua arma.



P – Como é que vocês comunicam com os líderes comunitários?



Agente – Todos os líderes comunitários, nas províncias, trabalham com as forças governamentais; eles dão informação. Têm a missão de vigiar na aldeia, e informar sobre a presença de elementos da Renamo; quem são os responsáveis, quem são os delegados, etc. Então nós chegamos, batemos a porta e levamos a pessoa.



P – Então, está a dizer que os homens armados da Renamo vivem no meio das populações?



Agente – Eles (os homens armados da Renamo) vivem muito bem com a população, e a população não denuncia.



P – Esses homens armados da Renamo são jovens?



Agente – Dos que já capturamos nunca vi jovens. Aqueles jovens que aparecem a entregar-se como membros da Renamo são informadores. Muitos daqueles que se entregam estão a ser chantageados e agora estão a ter problemas para regularizar os documentos. Muitos nem são guerrilheiros.



P – Quantos homens armados da Renamo estavam em Murrupula?



Agente – Não sabemos quanto são, porque muitos não andam fardados, eles vivem com a população. Eles nunca foram a uma aldeia e começarem a disparar. A Força de Intervenção Rápida é que queima escolas, se não sabiam. Nós quando íamos atacar, quando entrávamos numa aldeia, começávamos a disparar de um lado para o outro, e todos fugiam. O comandante ligava e dizia que “os homens da Renamo fizeram isto aqui”, e logo vinham ordens superiores a dizer “destruam isso aí”.



P – Então, quando as populações fogem porque dizem estarem a ser atacadas pelas Forças Governamentais não estão mentir?



Agente – Não estão a mentir. Em Tete é que foi mais vergonhoso porque o comandante que estava lá em frente disse queimam lá essas palhotas, matem os cabritos, bois e outros animais.



P – Quem foi esse comandante?



Agente – O comandante é (nome omitido). Ele teve problemas de tráfico de drogas. Foi condenado mas não cumpriu a pena, foram lhe tirar quando começaram essas confusões e foi colocado como comandante em Nampula. Quando começou a instabilidade em Nampula foi-se instalar a Intervenção Rápida na rua dos Sem Medo, e foi aí que tudo começou. Aquele Dhlakama tem medo dele, e do (nome omitido), mais conhecido por Adolfo, foi comandante dos comandos, um desertor da Renamo. Quem anima cumprir missões com ele é o comandante (nome omitido), porque nas missões que ele comanda não morre ninguém. Agora, ir com o comandante (nome omitido) morre o próximo dele, porque aquele no mato não tira a mão do bolso e não é atingido pelas balas. O comandante (nome omitido) foi comandar em Nampula, então aqueles (Afonso Dhlakama e os seus homens) fugiram para a Gorongosa, ele foi atrás deles como comandante do batalhão independente de Gorongosa, até agora.



P – Então o comandante (nome omitido) está em Sofala ou em Tete?



Agente – Esse (nome omitido) está em Gorongosa, mas é chamado em todo o sítio onde há confusão, por isso mandaram-lhe para Tete. Fomos juntos para lá, entre Maio e Setembro.



P – Além do vosso pelotão existem outros que realizam essas missões?



Agente – Não é o único. Outros estão espalhados pelas províncias.



P – E existe armamento?



Agente – Têm carros blindados novos com canhões. Chegaram novos carros na brigada montada, foram buscar ao porto de madrugada já estão aí homens a serem formados. Há canhões ZU23, armas de precisão Dragunov, e metralhadoras Pecheneg , todas de fabrico russo.



P – Porque é que decidiu revelar-nos tudo o que tem feito?



Agente – Tenho filhos por criar, e aquele trabalho me está a criar perturbações mentais. Desde que esta confusão da Renamo começou as pessoas estão a morrer. Fui fazer outra formação anti-motim, de controlo de multidões, no caso de greves. Não é para isto que nós juramos. É por isso que alguns já foram expulsos, por se recusarem a cumprir certas missões. Por exemplo, somos chamados para uma formatura, e daqui para a aqui, nos dizem, “senhores, entram no carro, levem bazucas”. Bazucas não são para o controlo anti-motim. Para debelar um motim precisa-se de pressão de ar e gás lacrimogéneo. Agora, quando te dizem para levar roquetes isso é guerra, e para mim não faz sentido.



P – Também já participou em manifestações? Porque é que levam armas com balas verdadeiras?



Agente – Quando se vai a um sítio para se manter a ordem contra um motim só tinha que ser com gás lacrimogéneo e pressão de ar, mas leva-se Makarov, leva-se AKM para com o gás lacrimogéneo afugentar a multidão e fazer demonstração. Em todas as manifestações tem que se fazer demonstração, tem que cair pessoas para aquilo parar, é como temos feito. Para as pessoas saberem que a próxima bala pode ser para mim, é aquilo que nós chamamos de demonstração.



P – Quer dizer que há entre vós um sentimento generalizado de revolta?



Agente – Uma das razões é que estamos a fazer um trabalho que não corresponde com aquilo porque nós juramos e também porque não nos pagam horas extras, porque nós somos solicitados a altas horas da noite ou de madrugada. Estamos a fazer coisas que não são aquilo que a lei manda. Até aí os nossos chefes ... nós pensamos que eles recebem mas não nos dão.



P – Qual foi a sua primeira operação?



Agente – A minha primeira operação foi em Nampula, na Rua dos Sem Medo, naquele ataque à residência de Afonso Dhlakama, na Rua das Flores. Íamos lá com ordens do Comandante (nome omitido); ele era o Comandante Provincial. Ele agora foi substituído pelo (nome omitido).



P – Quantos são vocês no vosso grupo?



Agente – Estou num grupo separado porque tem um grupo normal da Intervenção Rápida, e tem o grupo de acções especiais, que é o meu grupo. No meu grupo somos cerca de 50.



P – E o vosso alvo são os homens armados da Renamo?



Agente – É o que pensávamos, mas mais tarde fomos ver que não só eram eles porque há certos dias que vinham com fotos para fazermos certos trabalhos, mas só que aqueles já não aparentavam ser homens da Renamo.



P – Em Nampula?



Agente – Nampula é o sítio onde havia mais problemas. Porque para acabar aquilo ali em Nampula teve que se fazer o trabalho de porta a porta. Porque os líderes comunitários tinham o seu papel de identificar as pessoas; quem é o líder, quem é o delegado da Renamo. Então a gente ia lá... sem o líder, o líder só dizia aos homens do reconhecimento e o reconhecimento não abate quem abate somos nós das operações especiais.



P – Os teus colegas também estão descontentes?



Agente – Lá há muito descontentamento. Só que ali não se pode fazer o que... no meio de muitos estar a murmurar porque ali há muita gente que quer subir na base do outro. Pode ir dar informação.. uma informação dali dentro vale muito. Então ali há muito risco. O dinheiro é pouco, mas o risco é grande. Nós temos todas as provas que podem implicar muitos comandantes, porque são eles que dão as ordens.



P – Não teme represálias?



Agente – Para eu tomar a decisão de falar sobre isto é porque eu acabava de cumprir uma missão. Acabava de fazer um trabalho que todos nós saímos a murmurar; saímos mesmo mal, lesados, fomos atirar nas pessoas e nós saímos lesados. Fomos atirar mesmo nas pessoas.



P – Que operação foi?



Agente – Tivemos um trabalho... primeiro fomos a Tete. Então vinha um D4D, nós estávamos num sítio ali. Saímos com uns carros Prados fomos até a um sítio numa sombra onde tomamos refrescos e sumos. Apareceu um agente do SISE e disse a foto é esta aqui; uma foto bem grande. Este aqui quando aparecer vocês hã de ver; o movimento só hão de ver. De facto, ninguém nos disse. Vimos ele a vir primeiro já guarda costas ele estava no meio, e notou-se que este estava protegido. Saímos com ele, seguimos. O nosso carro avançou primeiro, ficou um outro Prado porque eram quatro Prados; ficou um Prado atrás um outro adiantou. Quando ele vinha foi bloqueado. Primeiro atiramos contra o ADC. O ADC deu um tiro para o ar mas ele foi atingido mortalmente. Logo que ele fez aquilo o carro foi bater num arbusto, e ele (o alvo) quando tentou sair foi mesmo à queima roupa. Daí saímos e apanhamos o voo e voltamos para Maputo.



Outro dia já fomos a Nampula fardados. Nós não fazemos isto porque gostamos de guerra. Não ganhamos nada. Vale a pena eles, ganham porque quando a gente mata, eles rebocam gado nos camiões; por exemplo, o meu comandante, o carro que está a andar com ele, é por causa daquele gado que se levou lá em Gorongosa. Nós não levamos nada. E um comandante lá também foi bem chantageado porque o dia que fomos queimar, tivemos ordens de queimar motorizadas, aquelas todas motorizadas da Renamo, nós a incendiar ele levou isolou aquela mota foi andar com ela, até hoje está a andar com aquela mota, Badjadja, uma mota vermelha, sem matrícula até... Comandante (nome omitido).



P – Esta Unidade de Intervenção Rápida onde você está já participou em manifestações? Porque levam armas com balas de verdade?



Agente – Quando se vai num sítio para se manter a ordem de motim só tinha que ser com gás lacrimogéneo e pressão de ar, mas leva-se makarov, leva-se AKM para com o gás lacrimogéneo afugentar e fazer demonstração. Todas manifestações tem que se fazer demonstração, tem que cair pessoas para aquilo parar, é como temos feito. Para as pessoas saberem que a próxima bala pode ser para ti, é aquilo que nós chamamos de demonstração.



P – Pode revelar-nos uma situação de motim onde usaram balas reais?



Agente – No dia em que fomos roubar votos em Nampula, em 2014. Ali na escola de Belenenses, escola secundária 12 de Outubro, escola secundária de Nampula, fomos de voo com homens do SISE, homens encasacados. Tem reconhecimento que ficam de tranças, tipo marginais, foram atribuídos tarefas vocês vão para lá fazer confusão por que os da Renamo têm influência. Para nós conseguirmos sacudir aqueles primeiro tiveram que ir lá colegas à paisana, que tinham tranças e roupas rasgadas, foram formar bicha e instigar, «a Frelimo aqui tem que perder » diziam e quando outro queria responder então armava-se confusão, é muito fácil de agitar macua. Depois ligaram-nos e disseram venham lá. Aí foi a Intervenção Rápida numa de que é legítima defesa e está a ir manter a ordem. Gás lacrimogéneo e fumaça, aquilo ficava escuro, levávamos as urnas nos blindados e íamos entregar homens do SISE que preenchiam Frelimo, Frelimo... Enquanto lá na escola continuávamos a disparar. Depois os carros saiam e entravam no meio da confusão enquanto eles estavam ali a preencher. OMM aquelas senhoras são malandras, estavam lá no quartel da Intervenção Rápida em Nampula cheias a preencher Frelimo, Frelimo... houveram pessoas que se fizeram de corajosos e aí o comandante disse agora batem quatro para eles verem que a coisa é séria.



P – Ao longo deste período o Governo tem dito que não quer guerra e até quer dialogar com o partido Renamo para se alcançar a paz, acha que vão entender-se?



Agente – Sabe qual é o problema é que lá no Norte é onde há riqueza, Dhlakama foi roubado nos votos mas ganhou. Eu não entendo a política só cumpro missões, mas eles não vão deixar Dhlakama governar.







http://www.verdade.co.mz/tema-de-fundo/35/57164